Ascensão de robôs eliminaria mais de 5 milhões de empregos


size_810_16_9_robo

Mais de cinco milhões de empregos serão perdidos até 2020 como resultado dos avanços da genética, da inteligência artificial, da robótica e de outras mudanças tecnológicas, segundo uma pesquisa do Fórum Econômico Mundial.

Cerca de 7 milhões de empregos serão perdidos e 2 milhões serão ganhados como resultado da mudança tecnológica em 15 importantes economias desenvolvidas e emergentes, disseram o fundador do FEM, Klaus Schwab, e o membro do conselho gestor Richard Samans no relatório “O futuro dos empregos”.

Os resultados foram obtidos a partir de uma pesquisa sobre 15 economias, cobrindo cerca de 1,9 bilhão de trabalhadores, ou cerca de 65 por cento da mão de obra total do mundo.

A eliminação dos limites entre as esferas física, digital e biológica equivale a uma Quarta Revolução Industrial, segundo o FEM, que tratará sobre a ideia em seu encontro anual de autoridades políticas, acadêmicos e economistas em Davos, na Suíça. Este já é um tópico atual em parte graças a livros como “A segunda era das máquinas” e “A ascensão dos robôs”. O economista-chefe do Banco da Inglaterra, Andy Haldane, alertou que os milhões de empregos colocados em risco pela automação estão criando problemas que as autoridades precisam resolver.

“Para evitar o pior cenário — mudança tecnológica acompanhada por escassez de talento, desemprego massivo e desigualdade crescente –, a requalificação e o aperfeiçoamento dos trabalhadores de hoje serão críticos”, disseram os autores. “Simplesmente não é possível suportar a revolução tecnológica atual espe